Londrinando - Mostrando o que Londrina e o Mundo têm de melhor.

Postos Ipiranga

MULHER TEM VOZ

20.08.2016 / POR Londrinando

MULHER TEM VOZ

Muito se tem falado sobre o feminismo, suas vertentes e a importância de aderir a causa. Mas afinal, o que ele significa?

A questão é bastante ampla e delicada de ser abordada por isso a ideia aqui, é oferecer argumentos para que cada um reflita e crie sua opinião e ponto de vista.

Por muito tempo as mulheres foram submetidas a serem do lar, subordinadas, destinadas apenas a parir, criar, educar, cuidar, cozinhar, servir. Viviam para eterna obediência, com condições limitadas e sem direitos. Percebendo o constante estado de submissão, surgiu o desejo de sair da vida rotineira, em busca de direitos, participação, voz, espaço e igualdade, com ideias que enfrentam o preconceito patriarcal, reivindicando o direito de igualdade.

Aqui temos dois links que ilustram detalhadamente a luta das mulheres ao longo dos anos.

Emancipação da Mulher - A Luta pelos Direitos

Direitos da Mulher: Uma história de dominação e lutas

Embora as mulheres tenham conquistado o direito de voto, de trabalhar e ter remuneração (mesmo que inferior), divórcio, proteção no caso de violência doméstica, entre outros, o feminismo ainda tem muito o que combater, mesmo a luta sendo antiga, ela se renova a cada geração.

Com a constante evolução do mundo em que vivemos, juntamente com a diversidade e experiências vividas, o feminismo se ramificou em algumas vertentes e formaram-se grupos fragmentados que lutam por causas que os unem e os fortalece, como exemplo básico, o direito de se vestir como quiser, sem ser julgada por conta disso.

Você pode saber mais sobre os diferentes grupos feministas, pelo que e como lutam, clicando AQUI 

Sendo assim, podemos dizer que o feminismo de forma geral, é a conquista por direitos, a busca por autonomia e igualdade livre de padrões baseados em normas de gênero. E devido a essa luta constante é que nós mulheres deveríamos nos unir cada vez mais em prol de uma sociedade mais justa para nós.

Certa vez li um texto chamado "Mulheres não são inimigas" escrito por Ruth Manaus para O Estadão, no qual ela dizia que "Mulheres deveriam ser as primeiras a não julgar a roupa de uma mulher. A promoção de uma mulher. Os medos de uma mulher. Os defeitos de uma mulher. Porque, como dizem por aí, com a mesma severidade com a qual julgamos, seremos um dia condenados. E a vida de uma mulher é ser condenada diariamente: por estar gorda, por ser bonita demais, por chegar muito tarde, por não ser mãe, por trabalhar demais, por não casar. Precisamos colaborar com essa dinâmica errada?"

As mulheres deveriam ser as primeiras a estender a mão e jamais as primeiras a apontar o dedo. Essa rivalidade só é interessante para o fortalecimento do machismo e de grande parcela do mundo que tem medo das mulheres unidas. 

Mulher tem voz. E daí se ela quiser usas uma saia curta? E daí se ela quiser sair e beber até cair? E daí se ela quiser transar no primeiro encontro? São as escolhas dela e isso não define quem verdadeiramente ela é. No fundo, nós todos deveríamos ser feministas e dar mais incentivo ao protagonismo das mulheres na sociedade.

Um beijo, Carol :)