Londrinando - Mostrando o que Londrina e o Mundo têm de melhor.

5 youtubers negros para você seguir

20.11.2018 / POR Londrinando

5 youtubers negros para você seguir

No Dia da Consciência Negra, fizemos uma lista de 5 youtubers para você começar a seguir agora!

 

Hoje, 20 de novembro, é Dia da Consciência Negra. Aproveitando a data, perguntamos: Quantos youtubers negros você assiste? Já parou pra pensar que num país em que mais de 50% da população é negra é no mínimo curioso que eles não sejam também a maioria em todos os âmbitos, inclusive no que você assiste no youtube?

Para isso, a gente separou uma lista de youtubers negros para você começar a seguir agora! E é tanta gente massa fazendo conteúdo que foi difícil selecionar só 5! 

Confira:

Afros e Afins por Nátaly Neri

A Nátaly já é bem famosinha nessa vida de Youtube e tem quase 500 mil inscritos no seu canal. Cientista social em formação, ela se define como “mulher negra, feminista, apaixonada por brechó, costura, moda e faça você mesmo”.  O canal traz muitos conteúdos sobre a vivência dela de mulher negra com profundidad e também incentiva a autonomia de quem assiste em vários segmentos, como aprender a garimpar umas roupinhas em brechó, pensar sobre o consumo consciente, discutir sobre o nosso lugar no mundo e, claro, também tem muito papo descontraído sobre beleza, maquiagem, como bem diz Nátaly, “tudo o que quisermos que nos caiba”.

Nesse vídeo necessário para a gente entender um pouco mais sobre o nosso país e sobre o que é ser negro por aqui, ela tinha acabado de chegar aos 10 mil seguidores.

 

Gabi DePretas

A Gabi Oliveira, ou Gabi DePretas, como ficou conhecida pelo nome do canal, é formada em Comunicação Social pela UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e soma quase 400 mil inscritos no seu canal do Youtube.  Em seus vídeos, ela fala de assuntos que vão desde as relações étnico-raciais até a estética da mulher negra, como maquiagem, cabelo etc. Ou seja: tem problematização, mas também tem tutorial – ótimo para agradar quem quer uma discussão mais aprofundada ou não. Ela também já palestrou no Latin America Education Forum (LAEF), na Universidade de Harvard.

 

Spartakus Santiago

O Spartakus Santiago completou recentemente 10 mil inscritos em seu canal, que é, em resumo, um grande descomplicador de textões, como ele mesmo explica.  Publicitário, Spartakus é formado em comunicação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e fala bastante de racismo e LGBTfobia em seus vídeos.  Negro, nordestino e LGBT, ele usa sua voz e i espaço democrático da internet pra fazer a diferença.

Em um de seus vídeos mais famosos, ele e mais dois youtubers falam sobre como sobreviver sendo um homem negro (homens negros representam 71% das vítimas de homicídio no Brasil).

 

Muro pequeno

Murilo tem pouco mais de 100 mil inscritos no seu canal e se define como “uma bicha negra cristã e militante, fazendo uns vídeos aqui pra falar de sonhos, desafios e aleatoriedades, problematizando a vida, espalhando amor e viadagens por aí”.

Neste vídeo, ele juntou vários youtubers negros e gays para conversar sobre as questões relacionadas à masculinidade do homem negro:


Tia Má

Maíra Azevedo, ou Tia Má, é jornalista e se autodenomina como “preta, gorda e nordestina”. Em 2015, foi eleita uma das 25 mulheres negras mais influentes da internet! Fenômeno nas redes sociais, ela também é consultora e roteirista da rede Globo. Seus vídeos com alto potencial viral, acabam se espalhando organicamente, rendendo a ela 340 mil seguidores apenas no facebook  e alguns vídeos com mais de sete milhões de visualizações. No youtube, as visualizações ultrapassam um milhão. 

Neste vídeo, ela desabafa: “Basta chegar novembro que muitos querem afirmar que a raça é humana, mas durante o resto do ano é quem mais discrimina e quem menos oferece oportunidades! Sempre vem com frases prontas, sem querer discutir os índices que afirmam as desigualdades!”.

Tia Má também já participou do Tedx Talks, onde falou sobre o mito da meritocracia e os desafios às diversas formas de opressão: "Racismo não é brincadeira, racismo não é opinião, racismo é crime. E a gente precisa aprender a chamar as coisas pelos nomes corretos".