Londrinando, mostrando o que Londrina tem de melhor!

Clube Londrinando

Experiências londrinenses que quem não é de Londrina precisa ter

24.06.2019 15:54 / POR Mariana Paschoal

Experiências londrinenses que quem não é de Londrina precisa ter

Muita gente de fora que vem morar em Londrina ou visitar a cidade nos pergunta: "o que fazer por aqui?" Com isso em mente, pensamos em algumas experiências para essas pessoas curtirem nossa cidade como um verdadeiro londrinense - e, de quebra, quem acatar as nossas dicas, ainda pode conhecer um pouco do nosso dia-a-dia e da nossa história. Confira nossas sugestões:

Tomar um vinho no Vilão Bar

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por N e t t o B u e n o (@nettodoseuvo) em

Em uma cidade de 84 anos, bares que já têm mais de 40 só podem significar sucesso. É o caso do Vilão Bar, que foi fundado em janeiro de 1978.

O Vilão é um dos lugares mais tradicionais de Londrina e é por isso que ele está nessa lista. Por ser um local fechado, com ambiente interno à meia-luz, o bar é geralmente frequentado por casais apaixonados (deve ter muito relacionamento por aí em Londrina que começou lá). Mas isso não impede os solteiros de irem sozinhos, ou com uma turma de amigos. Quem for lá pela primeira vez vai se surpreender com a decoração rústica, com objetos antigos, clima aconchegante e ainda pode conhecer um pouco da história da cidade através das fotos do bar penduradas nas paredes do estabelecimento.

Endereço: R. Sergipe, 1461

Comer um macarrão na casinha do Bar Valentino

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Bar Valentino (@bar_valentino) em

Outro bar tradicional da cidade é o Valentino, que ainda preserva a casinha original de quando o bar abriu na década de 1980. O nome do local foi inspirado no ator do cinema mudo, Rudolph Valentino - mostrando que o espaço já nasceu ligado à arte e à cultura. Foi ainda na década de 80 que um prato clássico e amado por muitos londrinenses foi introduzido ao cardápio do bar: o macarrão. O prato fez sucesso desde o começo com os estudantes, jornalistas, músicos e artistas que frequentavam a casinha e continua sendo a opção preferida dos atuais frequentadores.

Pelos palcos do Valentino - que recebe atrações musicais, teatrais e culturais em geral - já passaram grupos internacionais como o Taller de Artes de Medellín (Colômbia), Odin Teatret (Dinamarca), Scalla Revue Fantasia (Reino Unido) e artistas nacionais como Itamar Assumpção, Paulo Leminski e Arrigo Barnabé. Antes de ir lá saborear as massas do bar, dá uma conferida na agenda cultural: vai que você, de quebra, ainda vê algo que gosta muito!

Endereço: R. Pref. Faria Lima, 486 

Visitar a exposição permanente do Museu Histórico de Londrina

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Vitor Mosele (@vitormosele) em

O prédio do Museu Histórico de Londrina, por si só, já é uma aula de história sobre a nossa cidade: a construção que permanece até hoje foi inaugurada em 1950, mas ali no mesmo lugar, a segunda estação ferroviária da cidade já operava desde a década de 30. Muita gente que criou família aqui chegou à região por lá! Foi só na década de 80 que o espaço foi virar o Museu Histórico.

Periodicamente, é possível visitar as exposições temporárias e itinerantes que ficam por lá, mas o legal é também conferir a exposição de longa duração que conta toda a história da nossa região, como detalhes da construção de Londrina, da sociedade e dos trabalhadores que ergueram a cidade (inclusive com objetos pessoais), da imprensa e, claro, do café.

Endereço: R. Benjamin Constant, 900

Assistir a um show ou peça no Cine Teatro Ouro Verde

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Teatro Ouro Verde (@teatroouroverdeoficial) em

O Cine Teatro Ouro Verde é referência cultural na região desde sua inauguração, em 1952. Situado bem no coração da cidade, no Calçadão, o espaço funcionou como cinema até 1978. A partir daquele ano (quando foi adquirido pela Universidade Estadual de Londrina), o Ouro Verde passou a abrigar também concertos, peças de teatro, espetáculos de dança e outras manifestações artísticas. Na década de 80 veio outro marco para o espaço: ele se transformou na sede do Festival Internacional de Teatro (FILO) e do Festival de Música de Londrina. O Cine Teatro se tornou tão importante para a cultura do estado que, em 1999, foi tombado como Patrimônio Histórico do Paraná.

Um dos episódios mais tristes para Londrina foi o incêndio que acometeu o Ouro Verde em 2012. O fogo danificou a estrutura do teatro, que ficou fechado por cinco anos. Foi em 2017 que ele foi reinaugurado para a felicidade dos londrinenses e dos visitantes da cidade. Por toda a história e importância que ele tem para Londrina, assistir a apresentações lá é algo que todo mundo (londrinense ou não) tem que fazer. Não deixe de conferir a programação quando vier para cá.

Endereço: R. Maranhão, 85

Assistir a um filme no Cine Com-Tour

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Princesa Fôia (@princesafoia) em

Se você mostrar uma foto das luzinhas do Cine Com-Tour para algum londrinense, certamente ele vai saber de onde é. O cinema do Shopping Com-Tour é outro programa 100% londrinense e que faz parte da história da cidade. O shopping mesmo é de 1973 e foi o primeiro da região. Atualmente, a sala de cinema, ainda bem no estilo retrô de cinquenta anos atrás, transmite filmes cults, fora do circuito de Hollywood. Confira a programação aqui.

Endereço: R. Olímpia, 222

Passear pelo campus da UEL

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Cintia. (@cintia.defaria) em

A Universidade Estadual de Londrina tem quase 50 anos e é referência em ensino, pesquisa e extensão para todo o país. Além de toda a importância acadêmica, o campus da nossa universidade é lindo que só, com destaque ao calçadão e ao bosque perobal.

Caminhar na pista do Lago Igapó 2

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Boa Segunda (@boasegunda) em

O Lago Igapó 2 é um dos principais cartões postais da cidade e a gente não cansa de frisar isso! A pista ao redor dele é muito utilizada pelos londrinenses como pista de caminhada, mas você também pode usá-la como espaço de contemplação de um dos cenários mais bonitos da cidade. Além do lago e da natureza, ainda tem como admirar os altos e belos prédios da Gleba Palhano para aqueles que gostam mais do concreto.

Ver um jogo de futebol no Bar Brasil

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Bar Brasil 1941 (@1941barbrasil) em

O Bar Brasil é o bar mais antigo da cidade. Está na esquina das ruas Piauí e Hugo Cabral há quase 80 anos. Várias gerações de londrinenses já curtiram a boemia no local e, claro, assistiram a partidas de futebol de seus times de coração. Na década de 40, o Bar Brasil funcionava como uma sorveteria e até hoje mantém características do espaço de 70 anos atrás. Desde então, foram instalados telões - que estão sempre conectados nos jogos importantes do dia -, cerveja gelada, porções, pasteis e petiscos. Das palavras do próprio estabelecimento: "o Bar Brasil é mais que um boteco, é um ponto de encontro que se revigora a cada noite".

Endereço: R. Pref. Hugo Cabral, 757

Torcer pelo Londrina Esporte Clube no Estádio do Café

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Rafael Sanches (@rafael_sanches83) em

O Estádio do Café foi inaugurado em 1976 com uma partida do LEC contra o Flamengo do Zico. A construção do estádio levou a cidade em consideração: ele foi construído no formato de ferradura, com abertura para o Centro, proporcionando uma vista incrível da cidade.

Endereço: Av. Henrique Mansano, 889

Conferir o acervo do Sebo Capricho

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Kiara Damas (@kiaradamas) em

Entrar no Sebo Capricho é como entrar em uma máquina do tempo: você vê LPs, fitas cassetes e caixas de som de mil novecentos e guaraná com rolha e isso é uma delícia. Sem contar o piso superior, com centenas e centenas de livros, dos mais famosos aos mais raros. Aliás, é lá que fica o maior acervo de livros usados do Paraná.

Endereço:R. Mato Grosso, 211

E aí, londrinenses? Concordam com a gente? E quem é de fora, vocês ficaram com vontade de ter essas experiências? Conta pra gente!

(Foto: Francisco Pereira Lopes)

Obs: os preços e promoções são válidos para a data da publicação, podendo sofrer alterações sem aviso prévio das quais não nos responsabilizamos.