Londrinando, mostrando o que Londrina tem de melhor!

"Cidadania: por equidade de direitos e diversidade” será o tema da 3ª Parada Cultural LGBTQI+ de Londrina

27.06.2019 16:39 / POR Mariana Paschoal

"Cidadania: por equidade de direitos e diversidade” será o tema da 3ª Parada Cultural LGBTQI+ de Londrina

"Cidadania: por equidade de direitos e diversidade”. Esse será o tema da terceira Parada Cultural LGBTQI+ de Londrina, que acontece no próximo domingo (13). Antes de continuar o texto, vale a pena destacar o que essa sigla significa: Lésbicas, Gays, Bissexuais, Pessoas Transgêneros, Travestis, Intersexuais e demais diversidades e identidades.

A Parada é uma iniciativa do Movimento Construção que nasceu com o objetivo de promover eventos e debates que impactassem as vidas de pessoas LGBTQI+ da região. “Realizar a Parada na nossa cidade é um convite a olhar para a nossa comunidade. A discussão que trazemos com um evento desse porte é que nós somos cidadãos e precisamos ser atendidos nas nossas necessidades e conforme as nossas individualidades”, relata Jodair Moreno Pereira, secretário do Movimento.

O Brasil está em primeiro lugar no ranking de assassinatos de transexuais segundo pesquisa de 2018 da ONG Transgender Europe. Quando se trata de toda a comunidade LGBTQI+, nosso país também se encontra nos primeiros lugares. “O avanço na conquista dos nossos direitos é lento e ainda não nos asseguram de forma plena. Precisamos que a sociedade nos enxergue e nos reconheça enquanto cidadãos, que para além dos deveres que cumprimos como todos os outros, temos o direito de viver com dignidade a nossa existência’, continua Pereira.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Parada LGBTI+ de Londrina (@parada.lgbt.londrina) em

Sobre o Movimento Construção e sua trajetória

O Movimento é resultado de um debate sobre como realizar ações que pudessem impactar a vida das pessoas LGBTQIs da região. No início, sete jovens formaram o grupo com a ideia de promover a primeira Parada LGBTQI+ da cidade. O evento saiu do papel nos dias 2 e 3 de setembro de 2017 com a presença de cinco mil pessoas na rua sob a temática "LGBTfobia: que o nosso amor seja maior que teu medo de amar".

Ao mesmo tempo em que o evento era planejado, o Coletivo também se preocupou com ações que transcendessem a manifestação. Então, foi promovido também uma mesa de discussões compostas por advogados, trabalhadores da saúde, uma mulher trans e oficinas ligadas à moda como customização de camisetas, maquiagem, além da participação e colaboração da Regional da Saúde, que oferece um dia de testes de hepatites, HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Parada LGBTI+ de Londrina (@parada.lgbt.londrina) em

Com o sucesso do primeiro evento conduzido pelo Coletivo, o grupo decidiu intensificar as ações para o ano seguinte, principalmente pela transversalização pelas questões de raça e classe. Em 2018, o Movimento Construção então promove a segunda Parada com o tema "Temos Família e Seremos Família". Dessa vez, nove mil pessoas foram às ruas. Na segunda edição, ao invés de somente um dia de reflexões, foi possível programar uma semana inteira (anterior à parada) de mesas e discussões sobre preconceito, saúde, educação, identidade, política e direitos. Para além, também foi realizado o primeiro casamento coletivo homoafetivo de Londrina, ocasião em que oito casais homossexuais da cidade e região oficializaram suas uniões.

Programação

A concentração do público está marcada para 12h, no Calçadão de Londrina, na esquina da Avenida Paraná com a Rua Pernambuco. O público andará até o Anfiteatro do Zerão, onde sobem aos palcos as seguintes atrações:

“É importante ressaltar que apesar de ser uma celebração, a parada LGBTQI+ de Londrina prima por ser também um espaço de formação e conscientização a respeito dos Direitos Humanos, com espaços de debates sobre saúde, qualidade de vida, educação, direitos e deveres da população LGBTQI+, recorte étnico racial, machismo, recorte de classe e cultura”, explica Pereira.

Para conhecer mais sobre o trabalho do Movimento, acesse o Facebook, Instagram e site.

Foto: Lírica Aragão