Londrinando, mostrando o que Londrina tem de melhor!

Clube Londrinando

O que a universidade tem de bom? Cursinho gratuito da UEL democratiza acesso a ensino superior

20.08.2019 16:43 / POR Mariana Paschoal

O que a universidade tem de bom? Cursinho gratuito da UEL democratiza acesso a ensino superior

O acesso ao ensino superior em uma universidade pública é para todos. Facilitar esse acesso é uma das funções do Curso Especial Pré-Vestibular (CEPV), popularmente conhecido como cursinho da UEL. 

O objetivo do Cursinho da UEL é preparar vestibulandos que não têm condições financeiras para pagar um cursinho particular e fazer com quem eles tenham as mesmas chances de entrar no ensino superior do que qualquer outra pessoa. Para isso, graduandos da própria Universidade Estadual de Londrina dão aulas em todas as áreas cobradas pelo vestibular da instituição de ensino londrinense. “Os instrutores, como são alunos da UEL, têm uma proximidade com os alunos do Cursinho e esse vínculo é importante para que o aluno se sinta pronto para concorrer às vagas na universidade”, explica Rita de Cássia Rodrigues Oliveira, coordenadora geral do CEPV.

Quem são os alunos

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Curso Especial Pré-Vestibular (@cepvuel) em

Para estudar no CEPV, os vestibulandos passam por uma seleção socioeconômica realizada pelo Serviço de Bem Estar à Comunidade (Sebec) da UEL. Portanto, os alunos do Cursinho são aqueles que, muitas vezes, não têm condições de pagar por um curso pré-vestibular particular. Entre outros critérios descritos nos editais anuais de seleção, um deles é ter uma renda familiar per capita que não ultrapasse dois salários mínimos.

Todos os alunos aprovados pelos critérios socioeconômicos fazem uma prova escrita de conhecimentos gerais. “Nós não cobramos redação porque entendemos que essa prova não é para selecionar um candidato que obviamente passaria no vestibular mesmo sem o cursinho”, esclarece Rita. “A ideia é que a prova seja apenas classificatória. Se o aluno tira zero na prova, ele continua na lista de espera. Ele demora mais para entrar e pode perder as primeiras aulas, mas assim que alguém desistir, esse candidato pode assumir a vaga”, continua a coordenadora.

Segundo Rita, os alunos do cursinho compreendem, ao decorrer do ano, que ali eles têm a possibilidade de entrar na universidade com um nível muito mais alto de um candidato que não fez cursinho e passou direto do ensino médio para o vestibular. “O aluno que ficar ali conosco durante o ano letivo vai trabalhar a questão do estudar e da dedicação, além do conteúdo do vestibular. Alguns de nossos alunos já pararam de estudar há algum tempo e o cursinho pode ajudá-los a entrar no ritmo novamente”, afirma a coordenadora que explica que, se estiverem acostumados e preparados com a rotina de estudos, as chances deles permanecerem e concluírem o ensino superior são maiores.

Índice de aprovação no vestibular da UEL

Em 2019, 622 candidatos passaram pela lista de espera do Cursinho que, por sua vez, conseguiu chamar todos. Quando o CEPV começou, em 1996, ele atendia 150 alunos. No ano passado foram preenchidas 450 vagas que foram ampliadas neste ano. Os mais de 600 alunos são distribuídos em quatro turmas: duas vespertinas e duas noturnas.

Quanto ao índice de aprovação no vestibular da UEL, a média é de 35%, mas esse número, historicamente, já chegou a 44%. “Contamos como aprovação apenas um vestibular por aluno”, esclarece Rita.

Quem são os professores

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Curso Especial Pré-Vestibular (@cepvuel) em

Os professores do Cursinho da UEL, chamados de instrutores, são obrigatoriamente alunos de graduação da UEL. Atualmente, o CEPV conta com 42 instrutores que abrangem todas as áreas de ensino cobertas pelo vestibular da universidade londrinense.

Para se tornar instrutor, o candidato faz uma prova escrita em que é cobrado o conteúdo da disciplina da qual ele esteja apto e deseja dar aula. Aqueles que obtiverem uma média de 7 ou mais passam para a próxima fase que consiste em uma banca. “Nós convidamos um professor da UEL que seja especializado na área da disciplina à qual o candidato está concorrendo. O professor escolhe alguns temas, sorteia um na hora da banca e o candidato vai apresentar esse tema”, explica Rita. Se aprovado, o candidato vai para a terceira etapa que é a entrevista e análise de currículo escolar.

Na fase da entrevista e análise de currículo, a equipe do CEPV avalia os currículos do ensino fundamental, médio e superior. “Queremos uma equipe que dê exemplo para os alunos do Cursinho”, diz. Vale lembrar que, para ser instrutor do Cursinho da UEL, o candidato não precisa, necessariamente, ter experiência docente. “Ele precisa ter noção da aula que vai dar, precisa ter desenvoltura e o conteúdo do ensino médio bem fresco na mente. Durante a entrevista de seleção também verificamos se ele tem o perfil para atender o nosso público. É necessário que o futuro instrutor tenha carinho pelo aluno e que seja uma pessoa responsável e comprometida”, explica Rita, já que o trabalho do Cursinho segue uma metodologia que preza pela interação entre instrutores e alunos.

O CEPV, além de ser um laboratório docente, é também um incentivo para os cursos de licenciatura. “A gente percebeu que os instrutores têm o dom e a vocação para docência e por vários fatores acabam sendo desestimulados a serem professores. Nós fazemos esse resgate da profissão de docente”, confirma a coordenadora.

Conteúdo das aulas

Quem prepara o material didático são os próprios instrutores do Cursinho. “O conteúdo que eles tratam nas apostilas é baseado no currículo do vestibular da UEL. O material é sempre preparado de acordo com o que o manual do candidato da Universidade pede e a gente altera conforme esse conteúdo”, esclarece Rita. Apesar de ser baseado no conteúdo que a UEL pede, a coordenadora do CEPV deixa claro que eles também incentivam os alunos a tentarem bolsas em universidades particulares e também o ENEM. “A experiência de estudo deles também pode ajudá-los a concorrer a vagas de trabalho e até mesmo concursos públicos”, diz.

Quero ser instrutor do Cursinho da UEL

As inscrições para seleção para instrutores bolsistas estão abertas até o dia 4 de setembro. Alunos das áreas de biologia, espanhol, filosofia, redação, sociologia, literatura, matemática e química podem se candidatar.

Para a inscrição, o candidato deverá trazer, na secretaria do Cursinho (que fica no campus da UEL), de segunda a sexta-feira (das 14h às 22h):

- 1 via impressa da Ficha de Pré-Inscrição (www.cursinhodauel.net);

- 1 cópia de Identidade (RG);

- 1 cópia do comprovante de matrícula da UEL (sem carimbo da PROGRAD)

Todos os alunos de GRADUAÇÃO da UEL poderão inscrever-se, EXCETO alunos do último ano de curso.

Quero ser aluno do Cursinho da UEL

Os interessados em fazer o Cursinho no ano de 2020 devem acessar o site www.uel.br/sebec por volta do dia 15 de janeiro do ano que vem, conferir os editais e o passo-a-passo da seleção.

"Consideramos o diferencial do Cursinho da UEL, justamente, a inclusão do aluno. O próprio fato de oferecer a alguém que não tem condição a oportunidade de entrar no ensino superior é o que nos move", conclui a coordenadora do CEPV.

Para mais informações sobre o Cursinho da UEL, é só acessar o site www.cursinhodauel.net.