Bem-estar

Prefeitura informa quando e onde procurar atendimento para casos suspeitos de Covid-19 em Londrina

por Mariana Paschoal 23/06/20

Com a chegada do inverno, estação tipicamente mais fria, crescem de forma geral os casos de problemas respiratórios e alérgicos entre a população, agravando doenças crônicas comuns como asma, bronquite, sinusite e rinite, entre outras complicações. Em 2020, com a pandemia do novo coronavírus, as temperaturas baixas também estão acarretando o aumento do número de casos da Covid-19 e doenças respiratórias agudas. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) orienta o público sobre quando e como as pessoas devem procurar as unidades de saúde e hospitais de Londrina para suporte a casos suspeitos de Covid-19.

É necessário que, antes de procurar por qualquer atendimento, as pessoas mantenham os cuidados preventivos básicos e fiquem atentas ao conjunto de sinais mais recorrentes que possam apontar para infecção do coronavírus. São sintomas frequentes da Covid-19, febre, dor de garganta, tosse seca, entre outros, podendo evoluir para cansaço, dores no peito e faltar de ar, que já configuram estado de alerta e exigem maiores cuidados. Em muitos casos, como vem indicando estudos feitos em diferentes países, também estão associados fatores como perda de olfato e de paladar. Os cuidados devem ser redobrados para indivíduos do grupo de risco, principalmente pessoas acima de 60 anos ou com comorbidades como diabetes, problemas cardíacos, obesidade, asma, pneumopatia, imunodepressão, entre outras.

Se a pessoa apresentar quadro inicial de febre, dor de garganta e tosse, porém, sem falta de ar ou cansaço, ou com um destes dois sintomas a menos de 48 horas, não é necessário ir a um hospital ou Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Nesta situação, é recomendado que o paciente vá até uma das seis Unidades Básicas de Saúde (UBS) que hoje atendem exclusivamente para síndromes respiratórias e casos suspeitos de Covid-19 (ver lista ao final da matéria). Estas unidades farão a avaliação clínica e poderão realizar encaminhamentos para outros serviços, se necessário.

quem estiver há dois dias com os três primeiros sintomas, mais cansaço ou falta de ar, deve se dirigir diretamente para a UPA Sabará, na região oeste, que atende exclusivamente demandas do coronavírus. Na área externa deste local, foi criado o Centro de Triagem de Síndromes Respiratórias, onde os pacientes passam por uma triagem médica que avalia a classificação de risco do caso. Após isso, se necessário, eles podem ser encaminhados para análise aprofundada por meio da realização de exames na própria unidade, contando com isolamento e assistência adequados, com equipe de enfermagem e médica.

Quando o caso exigir, a UPA faz encaminhamento a um hospital para internação em leito de enfermaria ou UTI. Hoje a unidade de referência para Covid-19 na cidade é o Hospital Universitário (HU). “É importante frisar que a UPA do Sabará está mobilizada para atender apenas casos suspeitos de síndromes respiratórias, prioritariamente pacientes com sintomas moderados, mas serão atendidos também os que chegarem com sintomas leves ou mais graves, sendo tomadas as providências necessárias conforme o protocolo de saúde do Município. Quem sentir cansaço e falta de ar aguda, além de procurar espontaneamente a UPA, poderá acionar o SAMU-192. No início da pandemia, a UPA atendia uma média de 60 a 80 pessoas por dia. Neste período mais frio a demanda é mais alta, com cerca de 180 a 220 atendimentos diários, sendo que a capacidade total hoje é de 400 pacientes”, detalhou o diretor de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Cleiton José Santana.

Segundo o médico infectologista Fabio Guedes Crespo, do Ambulatório de HIV/Aids e Tuberculose da SMS, e integrante do grupo de técnico de enfrentamento ao coronavírus em Londrina, o processo de agravamento dos sintomas no corpo geralmente ocorre a partir do 3º ao 5º dia após seu início. “Este período já exige muita atenção. Até essa fase, quem apresentou cansaço e falta de ar, além dos sintomas básicos, já deveria ter ido procurar auxílio médico na UPA, ou mesmo em um hospital, para evitar o avanço do vírus. Não é necessário exatamente sentir falta de ar para buscar ajuda, se houver algum cansaço expressivo junto aos sintomas é motivo suficiente, principalmente se for grupo de risco. Muitas pessoas com os sintomas deixam de ir às unidades ou hospitais com medo de se contagiar, mas neste caso é muito importante buscar suporte o quanto antes”, alertou.

Crespo acrescentou que o início do estágio mais crítico da Covid-19 surge, normalmente, entre o 5º e o 7º dia após começarem os sintomas, quando aumenta a falta de ar, que é o estado máximo de alerta. “É a partir daí que os acometidos pelo vírus rapidamente podem precisar ser internados em UTI, sendo que cerca de 20% dos infectados pela Covid-19 podem desenvolver doenças respiratórias agudas graves. Dessa parcela, já em estado grave, o índice de letalidade chega até 50%. Por isso, é fundamental que os serviços de saúde sejam procurados conforme os níveis dos quadros apresentados e não se deixe para procurar ajuda no momento mais complicado”, enfatizou.

Além disso, o infectologista frisou que é essencial manter sempre em dia os cuidados preventivos primários, como utilizar máscara protetora, lavar bem as mãos, utilizar álcool 70% ou álcool gel, higienizar e desinfetar ambientes e superfícies. Também é importante manter-se em isolamento social e sair de casa apenas para o que for necessário, evitando ao máximo colocar as mãos na boca, nariz, olhos e ouvidos.

Quem precisar de atendimento por conta de situações ligadas a problemas crônicos como asma, bronquite, sinusite e rinite, que não estejam com falta de ar e os sintomas relacionados ao coronavírus, pode procurar qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS) de Londrina.

Disque-Coronavírus

Pelo número 0800-400-1234, gratuito a toda população, qualquer pessoa com sintomas gripais ou respiratórios pode receber suporte sobre os sintomas de coronavírus e tirar suas dúvidas. Os atendentes, capacitados para a função, estão aptos para prestar informações e indicar se há necessidade de procurar uma unidade de saúde para atendimento médico. O serviço teve início em março e, desde abril, também oferece apoio psicológico de escuta qualificada por telefone.

Por meio dessa opção, os trabalhadores da saúde pública, em geral, também podem ser encaminhados para atendimento particular em plataforma on-line com psicólogos do programa. O Disque-Coronavírus atende de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde e a Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Outro serviço disponível ao público, gratuitamente, é o chat Corona AI, um sistema inteligente que reponde mensagens de forma instantânea sobre uma vasta gama de assuntos ligados ao coronavírus. O funcionamento é 24h e o site pode ser acessado pele endereço https://coronaai.uel.br/

Atendimentos

Desde março deste ano, Londrina conta com seis UBSs exclusivamente atendendo para casos suspeitos de Covid-19 com sintomas mais leves. Os pontos disponíveis são a UBS Jardim Guanabara (centro), Bandeirantes (oeste), Ouro Branco (sul), Chefe Newton e Maria Cecília (norte), e Vila Ricardo (leste). Os atendimentos ocorrem das 7h às 19h, de segunda a sexta-feira.

A UPA do Jardim Sabará também funciona hoje para atender somente situações de síndromes respiratórias, focada nos casos moderados. A unidade conta com um centro de triagem para coronavírus e atende 24h por dia, na avenida Arthur Thomas, 2.390.

Com informações de Prefeitura de Londrina
Foto: Emerson Dias

Publicidade

Publicidade

Como anunciar?

Mostre sua marca ou seu negócio para Londrina e região! Saiba mais